Como controlar a diabetes com alimentação

Segundo o Ministério da Saúde, o número de pessoas com diabetes aumentou 61,8% no Brasil, e a alimentação, sem dúvida, é uma das principais formas de controlar a doença, evitando picos de açúcar no sangue (hiperglicemia), que pode causar complicações.

Certamente, o uso de medicamentos adequados, suplementos naturais para diabéticos como o Bio Mass Caps, exercícios e uma alimentação equilibrada fazem toda a diferença no controle da doença e na qualidade de vida de quem convive com diabetes.

Por isso, resolvemos mostrar aqui aqueles alimentos que, embora não substituam os medicamentos, não podem faltar no cardápio de quem quer controlar a diabetes. São eles:

Aveia

Rica em betaglucana, que forma uma espécie de gel grosso no organismo, retardando o esvaziamento do estômago, assim como a absorção de glicose pelo sangue, auxiliando, assim, o controle glicêmico, impedindo a rápida elevação da taxa de açúcar no sangue. E mais, a aveia também melhora a sensibilidade à insulina.

Brócolis

Possui um composto (glucorofanina) que o corpo transforma em sulforafano, um antioxidante que reduz a produção de glicose pelo fígado.

Canela

Ótima para ajudar no controle glicêmico, que regula os níveis de glicose no sangue, evitando a hiperglicemia, rápida liberação de grandes quantidades de açúcar. A dica é adicionar às refeições, sem exagerar.

Carboidratos integrais

Eles preservam a parte interna do grão, ricos em fibras e proteínas que auxiliam no controle glicêmico. Porém, atenção, só é considerado, realmente, integral o produto que preserva cerca de 50% de grão integral.

Maçã

Contém Pectina, que é uma fibra solúvel que modifica a carga glicêmica da refeição, dessa forma, promovendo a absorção mais gradativa da glicose, além de, também, ajudar a prolongar a sensação de saciedade e regular o intestino

Oleaginosas

Nozes, amêndoas, castanha, castanhas de caju, macadâmia, entre outros, Ricas em magnésio, além de gorduras boas e ácidos graxos mono e poli-insaturados, que ajudam a controlar os níveis de açúcar no sangue. Nozes, amêndoas, castanha, castanhas de caju, macadâmia, entre outros, são alguns exemplos.

Alimentos não proibidos, mas pedem moderação

Quem tem diabete não deve cortar nenhum alimento, completamente, do cardápio, apenas consumir com moderação e equilíbrio.

Açúcar

A sacarose, assim como, alimentos contendo o ingrediente, não são proibidos, pois não aumentam a glicemia mais do que alguns carboidratos, desde que ingerida em proporções similares. Vale saber que a OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda que a ingestão de açúcar não ultrapasse 5% das calorias totais/dia, prestando atenção no “açúcar oculto” dos alimentos industrializados. Por exemplo, uma colher de sopa de ketchup fornece 4 gramas de sacarose.

Frutas secas

É preciso considerar que as frutas secas, apesar de serem ricas em nutrientes e fibras, contém uma alta concentração de frutose, por causa da retirada da água, fazendo com que se consuma quantidades excessivas de carboidratos. Por isso, muito cuidado com a quantidade, e com que irá associar. A dica é apostar em alimentos ricos em proteínas e gorduras boas, que auxiliam no controle glicêmico, como castanhas e queijos brancos.

Produtos diet

Muitas vezes eles são ricos em gorduras e possuem valor calórico semelhante a sua versão normal, por isso, só consuma com a orientação médica.

Álcool

A ingestão diária para mulheres deve ser limitada a uma dose, ou menos, e para homens, duas doses ou menos. Já sabendo que uma dose equivale a 150 ml de destilados. É preciso saber que ao beber, a pessoa deixa o fígado tão ocupado em lidar com o álcool, que ele não consegue produzir glicose. Por isso, se não puder evitar, não exagere.

Alimentos que deve evitar:

Alimentos gordurosos

Quem tem diabete apresenta, naturalmente, maior risco de doenças cardiovasculares, e o acúmulo de gordura visceral é mais outro grande fator de risco, obrigando o pâncreas a produzir cada vez mais insulina para facilitar a entrada de glicose nas células.

Ultraprocessados

Geralmente eles contém muito açúcar, sal e gordura, fazendo com que se consuma sem perceber, ao final do dia, mais do que o recomendado.

Anticoncepcional pode dar varizes?

O uso de anticoncepcionais foi uma grande vitória das mulheres e evoluiu muito com o passar dos anos, mas a verdade é que até os dias de hoje se debate sobre as possíveis consequências da mesma.

As varizes, que nas pernas parecem pequenas teias que vão se abrindo, podem começar pequenas e claras até que, com o tempo, acabam inchando e causando uma série de desconfortos que vão muito além de questões estéticas.

Isso ocorre especialmente na região dos pés e pernas, mas também pode acontecer em outros membros do corpo.

Acontece que muitas vezes as varizes são associadas ao uso de anticoncepcional, mas será que a pílula realmente influencia nesse sentido?

Bem, existem algumas pílulas que ajudam a combater as varizes, é o caso do tratamento para varizes vazitran, porém outras pílulas podem fazer efeito contrário?

Vamos descobrir.

Entendendo as varizes

Primeiramente é preciso entender que as varizes nada mais são do que veias dilatadas e deformadas. Elas acontecem quando há um prejuízo nas válvulas dos vasos na missão de levar o sangue de volta ao coração.

Com o tempo, o processo circulatório natural acaba ficando prejudicado, seja por questões de hábitos ou até por predisposição genética.

No entanto, essa equação tem mais um fator: os hormônios.

As varizes e o anticoncepcional

Na sua maioria, os anticoncepcionais trazem a combinação de dois diferentes hormônios femininos. Um deles é o etinilestradiol, também chamado de estrogênio, e o outro são os progestágenos, também chamados de progesterona.

O que precisa ficar claro é que nas mulheres o surgimento das varizes pode estar associado a alterações hormonais do estrogênio, independentemente do uso do anticoncepcional.

Já no caso da progesterona, ela pode favorecer a vasodilatação, que também é um fator considerado no surgimento das varizes.

Em outras palavras, o uso da pílula contraceptiva, por si só, não vai causar as varizes, mas pode acabar favorecendo alguns fatores que influenciam o seu aparecimento.

Vale lembrar ainda que os contraceptivos orais estão cada vez mais modernos e provando eficácia com uma dosagem cada vez menos de hormônios. Com isso, seus efeitos colaterais são cada vez menores, bem como seus riscos.

É por isso que o uso da pílula é mais associado ao surgimento das varizes quando há outros fatores de risco envolvidos nessa equação, tais como aumento de peso, sedentarismo, genética e outros.

Outro fator é a gestação, que também pode favorecer ou agravar as varizes, visto que leva a um ganho acelerado de peso e favorece a retenção de líquidos.

Por isso, o mais indicado é estar sempre em contato com seu médico e realizar acompanhamento constante!

5 Alimentos que previnem câncer da próstata

Os números assustam, por isso mesmo, a cada ano o mês de novembro é dedicado à conscientização das doenças masculinas, com ênfase na prevenção e no diagnóstico precoce do câncer da próstata, essa campanha recebe o nome de Novembro Azul.

Vale saber que o câncer da próstata atinge, principalmente, homens com mais de 40 anos e com histórico de câncer na família.

Na verdade, muita gente não sabe, mas o câncer de próstata está ligado a uma dieta rica em alimentos processados como fast food, e carnes embutidas, como salsicha e linguiça, por exemplo.

A primeira coisa que as pessoas costumam fazer é procurar por “soluções prontas”, sejam medicamentos ou suplementos naturais, o número de pessoas que procuram por renova prost preço por exemplo é muito grande, isto tudo ajuda sim, porém é importante pensar em prevenção.

Por isso, é fundamental que quem quer prevenir, principalmente, quem tem predisposição, opte por uma alimentação especial, rica em licopeno, por exemplo, assim como, fibras e antioxidantes.

Confira abaixo alguns alimentos ótimos para prevenir câncer de próstata e que , portanto, não devem faltar no cardápio.

1. Tomate: licopeno

Dentre todos os alimentos, o tomate é o  mais rico em licopeno, nutriente com o maior poder antioxidante para proteger as células da próstata contra alterações maléficas, como ocorrem no crescimento do tumor.

E mais, o licopeno não só previne o câncer, como também diminui o colesterol LDL (ruim), protegendo o organismo de doenças cardiovasculares, como o infarto.

A dica é procurar consumir 35 mg de licopeno por dia para prevenir o câncer, o que equivale a 12 tomates ou 230 ml de extrato de tomate. Porém, o licopeno  fica melhor aproveitado se submetido a temperaturas elevadas, por isso, o molho de tomate possui mais licopeno que tomates frescos. Outros alimentos ricos em licopeno são: mamão, goiaba, pitanga e melancia.

2. Castanha-do-pará: selênio

Encontrado, principalmente, na castanha-do-pará, o selênio ajuda a prevenir o câncer, inibindo a reprodução celular, atuando como antioxidante. Além da castanha, ele também está presente em alimentos como farinha de trigo, gema do ovo e frango.

3. Vegetais Crucíferos: sulforafano

Vegetais crucíferos como brócolis, couve-flor, repolho, couve de Bruxelas e couve são ricos nos nutrientes sulforafano e indole-3-carbinol, que possuem efeito antioxidante e estimulam a morte programada de células da próstata, prevenindo sua multiplicação em tumores.

4. Chá verde: isoflavonas e polifenóis

As isoflavonas e os polifenóis têm ação antioxidante, antiproliferativo, que estimulam a morte programada das células, conhecida como apoptose.

Chá verde, frutas, vegetais, grãos de soja, além do vinho tinto, são ricos nesses nutrientes.

5. Peixes: ômega-3

Ômega-3 é um tipo de gordura boa que age como anti-inflamatório e antioxidante, melhorando a saúde das células e prevenindo doenças como câncer e problemas cardíacos. Peixes de água salgado como salmão, atum e sardinha, linhaça e chia são ricos nesse nutriente.

No mais, a dica é além de aumentar o consumo de frutas, legumes e chá verde, reduzir a ingestão de gorduras saturadas, presentes, principalmente, em carnes vermelhas, bacon, embutidos como salsicha, linguiça e presunto, fast food e alimentos industrializados.

Por fim, a dica é não descuidar da saúde, não só se alimentando melhor, como também, fazendo o exame de prevenção do câncer de próstata com um urologista,regularmente, após os 40 anos.

O que é Diabetes Mellitus?

A diabetes é uma doença já conhecida, mas quando se fala em diabetes mellitus, as pessoas estranham um pouco. O fato é que diabetes mellitus é apenas o nome técnico da doença que conhecemos como diabetes mesmo.

Essa é uma doença metabólica, que acontece quando o próprio organismo se torna incapaz de realizar a produção da insulina ou quando a sua produção não é suficiente para a demanda interna.

Existem também os casos em que a diabetes se caracteriza pela dificuldade do corpo de usar a insulina que é produzida.

Para quem não sabe, a insulina é um hormônio que é produzido e excretado pelo pâncreas e é o responsável pelo processamento dos açúcares ingeridos através da alimentação.

É graças a ele que o alimento pode se transformar em energia, que é um processo essencial e indispensável para manter as funções do nosso corpo ativas.

Tipos de diabetes mellitus

Existe mais de um tipo de diabetes mellitus, sendo que o mais comum é o tipo 2, que representa cerca de 90% das pessoas com diabetes em todo o mundo.

Já o diabetes mellitus tipo 1 é predominantemente desenvolvido por questões genéticas ou hereditárias.

O diabetes mellitus tipo 2, por exemplo, é mais influenciado pelos hábitos de vida de um indivíduo, tal como uma alimentação rica em gorduras e açúcares aliada com sedentarismo.

Mesmo que o diabetes mellitus seja uma das doenças de maior incidência no mundo todo, afetando 387 milhões de pessoas, ainda existe uma forma necessidade de reforçar a importância de prevenir o problema, bem como na importância de se obter um diagnóstico e início de tratamento precoce.

Sintomas de diabetes mellitus

Existem diversos sintomas que podem ser causados pelo diabetes, sendo que os principais são sede e fome excessivos e a vontade de urinar constantemente. No entanto, elas podem variar, veja:

Sintomas diabetes mellitus tipo 1

  • Perda de peso
  • Fraqueza
  • Fadiga
  • Mudanças de humor
  • Náuseas e vômitos

Sintomas diabetes mellitus tipo 2

  • Formigamento de pés e mãos
  • Frequentes infecções de rins, pele e bexiga
  • Feridas que taram em cicatrizar
  • Visão turva

Prevenção do diabetes mellitus

Uma das melhores formas de prevenir o diabetes mellitus é adotando hábitos de vida saudáveis, tais como:

  • Praticar atividades físicas regulares
  • Comer legumes e verduras diariamente, além de 3 porções de frutas
  • Não fumar
  • Manter o peso sob controle

Sem dúvidas, o incentivo a uma alimentação balanceada aliada a pratica de atividades físicas é o mais indicado, sendo uma das principais abordagens dos Governos atuais.