Sexualidade Segura e Gratificante: Veja 5 dicas Exclusivas

Desfrutar de uma sexualidade satisfatória e segura está ao alcance de todos . No entanto, é importante sempre ter em mente alguns conselhos que, talvez, alguns de nós às vezes tendem a esquecer. Por esse motivo, no artigo de hoje resumimos as 5 dicas fundamentais para uma sexualidade plena.

Cuidar da nossa esfera sexual e vivê-la de forma saudável é muito importante para se sentir bem. Às vezes, porém, não sabemos em que prestar atenção, por isso queremos lembrá-lo dos pontos básicos.

Como desfrutar de uma sexualidade segura e gratificante?

A sexualidade é uma parte fundamental da nossa personalidade. Por isso, cada um de nós o expressa de maneira diferente. No entanto, existem “regras” fundamentais que se aplicam a todos os casos.

Algumas dicas são muito importantes e devem ser sempre lembradas, pois a irresponsabilidade pode comprometer seriamente a nossa saúde.

1. Proteja sua saúde

Aqui está o primeiro conselho, muito importante, para desfrutar de uma sexualidade satisfatória e segura. Trata-se de nos proteger da possibilidade de contrair ou infectar infecções ou doenças sexualmente transmissíveis. Não pense que é raro, é uma condição que atualmente afeta grande parte da população.

Conforme declarado pelo National Institute of Health (ISS), a infecção pelo HPV , o vírus do papiloma humano, são extremamente frequentes; de fato, estima-se que até 80% das mulheres sexualmente ativas contraem durante a vida.

Este vírus pode ser perigoso porque uma das cepas pode causar o aparecimento de câncer uterino. A ISS alerta que mais de 50% dos casos contraem uma cepa com alto risco oncogênico.

Leia também: Como controlar a ejaculaçao precoce com exercicios

2. Conheça seu corpo para desfrutar de uma sexualidade segura e satisfatória

Para desfrutar plenamente da sua sexualidade, é essencial conhecer bem o seu corpo. Isso também inclui os órgãos genitais. Você ficará surpreso ao saber que muitas pessoas nunca olharam para seus órgãos genitais e, mais ainda, aqueles que nunca os tocaram.

Masturbar-se , tocar-se e olhar-se é uma forma saudável de conhecer o seu corpo , de perceber o que gostamos e o que não gostamos e de descobrir novas formas de prazer. Isso nos permitirá experimentar as relações sexuais em um nível mais elevado e mais consciente.

3. Use métodos anticoncepcionais se a gravidez não for desejada

Se você não quer um filho e quer apenas ter uma sexualidade plena e segura, então é essencial o uso de anticoncepcionais. A pílula é muito eficaz e com um preservativo (que também protege contra o contágio de infecções e doenças sexualmente transmissíveis) será a mistura perfeita para aproveitar ao máximo o momento.

Aconselhamos que consulte sempre o seu médico para escolher o método de contracepção mais adequado para o seu caso. É possível que você esteja melhor com um do que com outro. E, caso você queira tentar ter um filho , terá que parar de usar anticoncepcionais.

4. A comunicação é essencial

A quarta dica de hoje para viver uma vida sexual plena e segura é esta: comunique-se , comunique-se, comunique-se! Se preferir mudar de posição ou que seu parceiro toque em você em outro lugar, você pode, na verdade deve, dizer isso.

Uma boa comunicação é a base para um relacionamento sexual muito mais agradável. Quando sabemos o que gostamos e comunicamos, os relacionamentos alcançam outro nível de prazer. Além disso, aprenderemos a comunicar de forma assertiva o que queremos, algo que nos fará bem, além da esfera sexual.

5. Jogue e experimente

Para desfrutar de uma sexualidade gratificante, é muito bom vivê-la como um jogo e experimentar coisas novas . Uma das maneiras mais fáceis é escolher jogos eróticos que podem reacender a centelha no relacionamento.

Às vezes, sentimos vergonha ou podemos nos sentir inseguros. Se isso acontecer conosco, talvez devamos refletir sobre nossa autoestima . Acontece que não se vive plenamente a sexualidade porque a relação com o corpo não é bem vivida. Se este for o seu caso, converse com um especialista.

Esperamos que essas 5 dicas tenham despertado em você o desejo de desfrutar de uma sexualidade satisfatória e segura e que o tenham feito refletir sobre alguns aspectos que você pode ter esquecido. A comunicação, o uso do preservativo, a autoestima e o conhecimento do corpo são os pilares que lhe permitirão viver as relações íntimas com tranquilidade.

Você se sente satisfeito com suas relações sexuais? Dos aspectos sobre os quais conversamos, qual foi o que mais te surpreendeu? Ouça o seu corpo, descubra-o e desfrute sempre da sexualidade com segurança, sem barreiras e sem inseguranças.

Como a diabetes pode causar impotência sexual

Chegou até aqui querendo saber como a diabetes pode causar impotência sexual? Então, veio ao lugar certo. Confira nesse artigo como e quando a diabetes pode resultar na impotência.

Não é de hoje que a diabetes é uma preocupação quanto à qualidade de vida, mas o que muita gente ainda desconhece é que ela pode, sim, ser uma das causas

da impotência sexual. Isso se explica pelo fato dela provocar muitas alterações vasculares e sensitivas as quais podem acabar dificultando a chegada do sangue ao pênis, assim como, a sensibilidade, impossibilitando não só a ereção, como o prazer durante o ato sexual.

É preciso entender que para ter e manter uma ereção, o homem precisa receber tanto estímulos físicos como psicológicos, os quais irão aumentar a circulação sanguínea no órgão sexual, não havendo esses estímulos fica  impossível ter as condições necessárias para uma relação sexual satisfatória.

Porque a diabetes pode causar impotência

Como vimos acima, a impotência sexual masculina na diabetes surge como resultado de algumas alterações causadas pela própria diabetes, são elas:

  • Diminuição da circulação, acabando por diminuir, também, a chegada de sangue no órgão sexual;
  • Obstrução da artéria peniana, isso acaba por diminuir a concentração de sangue no pênis devido a aterosclerose;
  • Alterações na sensibilidade peniana, o que acaba interferindo no prazer sexual;
  • Estresse e ansiedade devido à própria doença e às restrições na alimentação, acabando por criar a necessidade de cuidados circulatórios, aumentando o medo de ficar doente.

Enfim, são muitas alterações e quando alguma delas surge é um sinal de alerta, já que qualquer uma delas pode ser uma porta de entrada de problemas de ereção e impotência sexual.

Mas se você está sofrendo com esse problema eu recomendo que use o titanus capsulas que é um estimulante natural para combater a impotência.

Como tratar a impotência na diabetes

Quando a impotência sexual surge em função da diabetes, infelizmente, ela nem sempre pode ser curada, e isso por depender da gravidade em que os vasos sanguíneos foram afetados.

Em casos mais extremos, o tratamento convencional pode não ser a melhor alternativa, ou seja, o suficiente para devolver uma ereção satisfatória, embora a gravidade só possa ser diagnosticada, de fato, após o início o tratamento, e a verificação dos resultados.

Por tudo isso, vale tomar algumas medidas preventivas, como, por exemplo, controlar os valores da glicose e da pressão arterial, procurar se manter no peso ideal,  adotando uma dieta equilibrada, e fazer visitas regulares ao médico, sem dúvida, são atitudes que podem garantir uma vida saudável, prevenindo a impotência causada pela diabetes.

Vale saber que, em alguns casos, o médico poderá recomendar alguns tratamentos específicos:

  • Uso de remédios vasodilatadores (Viagra);
  • Prática de exercícios físicos regularmente (correr por 1 hora, 3 vezes por semana, por exemplo);
  • Implantação de uma prótese no pênis, recomendada em casos mais graves, geralmente, quando as outras formas de tratamento não funcionaram.

Lembrando a importância de um acompanhamento de um urologista, para que  cada caso seja devidamente analisado, principalmente, por se tratar de uma região muito complexa e a automedicação nunca deve ser uma opção, com sérios riscos para a saúde.

No mais, em alguns casos, vale contar com um apoio psicológico, compreensão por parte da companheira, afastando qualquer fator que possa aumentar a ansiedade e, até mesmo, a insegurança e a falta de autoestima.